Sua versão do navegador está desatualizado. Recomendamos que você atualize seu navegador para uma versão mais recente.

 Palestrantes do mês

 



Temporariamente estamos com nossas palestras paralisadas aguardando a autorização do Ministério da Saúde para voltar as nossas atividades normais.

Informativo O Caminheiros 

Remando a caminho da libertação

Estive aqui pensando e resolvi dividir com você.
O orgulho é uma âncora muito sem propósito para essa época que estamos vivendo,não acha?
Quem ainda se compraz em assim viver,não consegue permitir que sua embarcação navegue no mar da vida.
Até que um dia a âncora do atavismo enferruja,vai perdendo seu peso e o barco da vida começa a ser empurrado lentamente pela sutileza dos ventos e das vagas .
Fica bem difícil navegar assim,mas ......um reparo aqui e outro ali,assim ele se vai,bem devagarzinho, para chegar ao destino da própria viagem íntima.
Há até quem passe fome nesse percurso,mesmo havendo muitos peixes no mar para saciar a fraqueza das horas e do tempo.Mas,ainda não consegue enxergar o óbvio da sua iniquidade.
Assim somos nós,náufragos do nosso próprio infortúnio,tentanto arduamente remar para o porto de nosso despertar, de nossa lucidez,da nossa decisão e de nossa conscientização.
E navegamos no mar da vida ao encontro do Sol.

Por Regina Frotté

O espírita diante da pandemia

 

Segundo o grande orador e médium espírita Divaldo Pereira Franco, estamos vivendo "um momento grave na história da humanidade. Periodicamente a sociedade é sacudida por um clamor de sofrimento. Desta vez, o coronavírus chega no auge de nossas conquistas intelectuais, morais, do infinito, do micro e macro cosmo. A Terra estremece”. Palavras tão significativas como essas convida-nos a fazermos uma reflexão mais aprofundada sobre a conduta adotada como seres humanos, seres sociais, cujo interesse deve ser o progresso individual e coletivo.

O Espiritismo nos faz compreender que não somos vítimas das dolorosas ocorrências, mas que devemos aproveitar para ampliar a visão sobre a imortalidade da alma a fim de apreender, com responsabilidade, a lição desse momento tão singular.

A dor sensibiliza-nos! Nossos sentimentos vibram gerando ondas de solidariedade, compaixão, fraternidade; nossa inteligência busca encontrar respostas para aliviar ou sanar o grande desconforto. Assim, percebemos que fazemos parte de uma grande família chamada humanidade. Logo, o que acontece com o outro afeta a todos.

E, então, podemos orar sentindo o "Pai Nosso" que Jesus nos ensinou, Pai de todos, sem distinção. Compreendendo e sentindo o Olhar Divino que vela e ampara cada filho Seu.

Atualmente, as casas de todos os segmentos religiosos foram constrangidas, pela necessidade de evitar o contágio da doença, a fecharem suas portas; contudo, estimulam a todos para não cerrarem os templos sagrados do coração e exortam a união de pensamentos em prece, em favor de cada irmão do nosso planeta. Esse episódio mundial conclama a união das mentes no intuito de fortalecer, revigorar a fé, laço de união com o poder supremo do Nosso Senhor.

Nós, espíritas, temos o hábito contínuo da oração, elevando a alma a Deus, enaltecendo Seus desígnios e aceitando-os; rogamos Seus recursos para alcançarmos equilíbrio, discernimento e coragem para domarmos as nossas más inclinações a fim de que não sejamos obstáculos à harmonia universal e agradecemos as inúmeras bênçãos das oportunidades concedidas de servir ao bem, a família, os amigos, a todos, a dádiva da vida.

A Doutrina Espírita orienta à reeducação da alma através da prática do Evangelho, roteiro seguro. Orar, vigiar a si mesmo, desenvolvendo a benevolência, a indulgência e o perdão. Estudar, amar e ser útil na obra de Deus são atitudes que dão o real sentido à existência.

Maria, a Mãe Santíssima, disse "Tudo passa e isso, também, passará".

Muita paz!